Pollinator Park por Vincent Callebaut Architectures


10 min de leitura
03 Apr
03Apr

O futuro da agricultura e da biodiversidade

O Pollinator Park da Comissão Europeia oferece um vislumbre hipnotizante do futuro sombrio sem insetos polinizadores e um poderoso chamado para despertar a humanidade para reparar seu vínculo quebrado com a natureza . Projetado em colaboração com o mundialmente conhecido 'Archiobiotect' Vincent Callebaut , esta experiência de realidade virtual interativa e emocionalmente envolvente de 30 minutos mergulha você em um mundo futurista onde o homem e a natureza coexistem em harmonia, na esperança de mudar sua perspectiva e ajudar a virar a maré do declínio do polinizador.

Concebido como parte do« EU Pollinators Initiative », Pollinator Park deve sensibilizar, envolver a sociedade em geral e promover a colaboração sobre polinizadores selvagens. Isso ajuda a continuar' Green Deal Europeia ' os esforços para lidar com a natureza e polinizadores crises, e deve também ajuda o apoio mobilizar para um acordo ambicioso para a natureza na décima quinta reunião da 'Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica ' (COP 15) no final deste ano 2021. Em particular, os membros da Coalizão Global “Unidos pela Biodiversidade” da UE são convidados a usar o Pollinator Park como parte de suas próprias campanhas em torno da perda de biodiversidade. 

Confira aqui !

OBJETIVOS: Proteger os ecossistemas para conter o declínio dos polinizadores

Abelhas, abelhas, borboletas, formigas, beija-flores, morcegos, joaninhas, besouros. Um polinizador é um animal que, ao se movimentar, carrega   grãos de pólen das anteras masculinas   para o estigma feminino   das flores. Ao fazer isso, contribui para a  fertilização  dos  gametas femininos  no óvulo da flor,  pois os grãos de pólen permitem que as plantas se reproduzam.

A quantidade e diversidade de polinizadores influenciam fortemente a biodiversidade vegetal e vice-versa. A perda de biodiversidade em polinizadores agora ameaça a sustentabilidade das  comunidades de plantas que nos alimentam.

Ameaçadas pela química verde e pela toxicidade dos produtos fito farmacêuticos, grande parte das populações polinizadoras são vítimas de um colapso demográfico que afeta este serviço ecossistêmico, considerado importante e precioso para a dieta humana global: a polinização, no domínio da agricultura, pecuária e até silvicultura.

A partir de 2020, os polinizadores estão seriamente ameaçados com uma taxa de extinção que é "100 a 1.000 vezes maior do que o normal", de acordo com a ONU.A reprodução de mais de 90% das espécies de  plantas com flores do mundo  depende desses animais polinizadores que sofreram a destruição de seus habitats naturais, a perda de recursos, a explosão de pesticidas e as perturbações climáticas que estão mudando as estações. Tudo isso devido à atividade humana.  

Em 1999, há mais de 20 anos, durante a  Convenção sobre Diversidade Biológica  (Declaração sobre Polinizadores, São Paulo), os Estados da ONU já haviam reconhecido os polinizadores como “ espécies-chave ”, prestando serviços ecossistêmicos necessários ao homem, pois ajudavam a manter a biodiversidade, a produtividade agrícola , e a economia humana.

A maior parte da agricultura mundial, portanto, depende de polinizadores. Os insetos são frequentemente considerados de pouca importância ou mesmo como espécies nocivas ou problemáticas a serem eliminadas. E, no entanto, 35% do que comemos depende da polinização por insetos, incluindo café, cacau e especiarias. O serviço prestado pelas abelhas e principais polinizadores foi estimado pelo INRA em 153 mil milhões de euros por ano. De acordo com relatório publicado na "Nature" em 2016, a extinção de polinizadores ameaça 1,4 bilhão de empregos em todo o mundo: 1/5 da população.

No início de junho de 2018, a Comissão Europeia propôs "a primeira iniciativa da União Europeia (UE) para travar o declínio dos insetos polinizadores selvagens", que se baseia na monitorização e coordenação de ações destinadas a "remediar as consequências sociais e económicas da redução em insetos polinizadores ". Sensibilizar as crianças e os cidadãos europeus sobre as medidas para combater este declínio é o principal objetivo do Pollinator Park.

SOLUÇÕES: Pollinator Park, um oásis de produção sustentável de alimentos com polinizadores como principal fonte

Com o objetivo de preservar e restaurar a biodiversidade da fauna polinizadora, o Pollinator Park é um verdadeiro demonstrador em escala real. Do Miro's Miro à Hungry Hive, passando pelo Urban Lab e a Zoom Room, promove o nobre papel da profissão de agricultor. Mostra boas práticas na preservação de polinizadores em vários níveis: uso do solo territorial, agrícola, florestal e urbano.

As soluções são numerosas e muitas vezes simples de implementar:

1. Territorialização que preserva corredores ecológicos: restauração de bordas florestais, pousios, pastagens e prados melíferos, bem como preservação de sebes herbáceas multicamadas com árvores altas e vegetação nativa ao longo de campos agrícolas e estradas vicinais;    

2. Agricultura menos monocultiva, química e tóxica. Agricultura mais fundamentada, proibindo a disseminação de pesticidas, fungicidas e inseticidas. A agricultura do futuro visa o desenvolvimento intensivo da agricultura orgânica,  permacultura e agrossilvicultura, três práticas orientadas para a biodiversidade;    

3. Combate à urbanização contra a artificialização dos solos: a partir do estabelecimento de  redes verdes e azuis de habitats naturais mais favoráveis aos polinizadores e da proibição de produtos fitossanitários em parques públicos e jardins privados. Esta urbanização fértil pode ser alcançada pelo estabelecimento de substratos de nidificação (por exemplo, solos adequados, cavidades em árvores ou fachadas de edifícios), bem como pela implantação de recursos florais. Isso pode ser aumentado com a criação de florestas urbanas, revegetação de pátios de escolas e construção de fazendas urbanas, bem como prédios de apartamentos e escritórios verdes cobertos com hortas e pomares.

FERRAMENTAS: um aglomerado arquitetônico de estufas botânicas biomiméticas construídas com madeira maciça e energia positiva

A ecologia é a “matéria-prima” da arquitetura do século 21 e este é o leitmotiv do Parque dos Polinizadores. Ode à natureza, seu desenho orgânico é bioinspirado diretamente pela polinização, o método de reprodução sexuada das plantas. Assim, poeticamente extrai sua estrutura de uma flor desabrochando.

O Central Park simboliza os órgãos femininos e une todos os espaços de exposição do parque. De baixo para cima, os ovários constituem os biomas educacionais em espiral, o estilo acomoda um elevador panorâmico de vidro e uma escada dupla de Chambord, enquanto o estigma se transforma em uma plataforma de observação florescendo no céu.A partir desse epicentro, as Fazendas - biomas com estruturas em favo de mel, folhas nervuradas - são dedicadas à agricultura do futuro. Eles são organizados espacialmente em um plano radial. Suas geometrias estriadas e voluptuosas são inspiradas nas anteras, os órgãos masculinos de uma flor coberta por grãos de pólen.

Em termos paisagísticos, estas estufas botânicas de exposição e produção agrícola estão protegidas por um enorme perianto. Este consiste em um cálice de 5 sépalas ao redor do Central Park e uma corola de 5 pétalas ao redor das Fazendas.

A arquitetura orgânica do Pollinator Park estimula o fluxo natural da experiência do visitante, onde a arquitetura biomórfica e a natureza exuberante se fundem em um ecossistema único, exibindo como a natureza cria ecossistemas. Em cada ambiente, os hotéis polinizadores estão integrados na arquitetura lúdica porque o Pollinator Park é, antes de mais nada, sua casa! Onde à economia circular e às energias renováveis, todas as estufas são projetadas a partir de armações de luz em madeira laminada cruzada (CLT) e materiais de bio-fonte reciclados ou recicláveis distribuídos em circuitos virtuosos e curtos-circuitos.

Os biomas maciços de madeira são cobertos por escudos solares fotovoltaicos e térmicos para se tornarem edifícios de energia positiva, produzindo mais energia do que consomem. Esses protetores solares filtram os raios solares e criam um equilíbrio perfeito entre luz e sombra.

Para criar este saldo positivo, um campo de chaminés eólicas e turbinas eólicas é implantado radialmente na paisagem. Este parque eólico também permite aproveitar a energia do vento e aproveitar a inércia térmica do terreno para bioclimpar naturalmente os espaços no interior das estufas. Na verdade, as chaminés eólicas usam energia geotérmica para resfriar as estufas no verão e aquecê-las no inverno, a temperatura do solo fica em 18 graus Celsius durante todo o ano.

Em termos de construção e energia, o Pollinator Park é, portanto, um verdadeiro sumidouro de carbono e um projeto exemplar em termos de engenharia ecológica. Dentro deste oásis biomimético inspirado nas formas, estruturas e ciclos de feedback dos ecossistemas naturais, a experiência cenográfica concentra-se na correlação entre polinizadores e produção de alimentos. Esta cenografia envolvente visa sensibilizar e comover poeticamente os europeus, jovens e idosos, para melhor os ensinar a proteger o seu património natural da fauna e da flora e consequentemente a sua saúde.

Perguntas e Respostas SOBRE A COLABORAÇÃO ENTRE A COMISSÃO EUROPEIA E AS ARQUITETURAS DO VINCENT CALLEBAUT, by European Commission    

1. Por que você deseja colaborar com Vincent Callebaut neste projeto? 

UE: A Comissão Europeia já colaborou com sucesso com Vincent Callebaut em 2018 na Semana Verde da UE “Cidades Verdes para um Futuro Mais Verde“, onde ele foi o orador principal.Quando começamos a desenvolver o Pollinator Park - um universo virtual ambientado no futuro, não pudemos deixar de notar que os projetos são inspirados nas criações arquitetônicas da vida real de Vincent Callebaut. Ficou claro para nós que ter Vincent Callebaut - a autoridade global em arquitetura futurística e sustentável - a bordo deste projeto traria muitos benefícios: aumentar a qualidade do projeto, ampliar seu impacto e ajudar a espalhar a mensagem da crise da natureza para além do bolha verde.    

2. O que você mais gosta no projeto do Parque Polinizador?

UE: Em primeiro lugar, biomimetismo - no Pollinator Park, a arquitetura serve a natureza e, como tal, oferece uma visão de como a arquitetura pode ajudar a curar o vínculo rompido entre o homem e a natureza. Em segundo lugar, o projeto do Parque Polinizador de Vincent Callebaut põe em prática muitos dos princípios promovidos pelo 'Acordo Verde Europeu'. Ele demonstra como a cidade de amanhã poderia ser combinando abordagens de economia circular, energia renovável e melhores práticas agrícolas e urbanas destinadas a proteger e restaurar nossos ecossistemas, como a agroecologia. Por fim, o design do Pollinator Park combina estética e sustentabilidade, explorando como viver melhor em harmonia com o planeta. Este é o espírito da 'Nova Bauhaus Europeia', uma iniciativa lançada pela Comissão Europeia para conceber formas de vida futuras, situadas na encruzilhada entre arte, cultura, inclusão social, ciência e tecnologia.    

3. Qual você acha que é o papel das arquiteturas de Vincent Callebaut na luta contra as mudanças climáticas e na proteção da biodiversidade? 

UE: 'European Green Deal' é a estratégia e o plano da UE para enfrentar as duas crises das alterações climáticas e da perda de biodiversidade. Para que o 'Acordo Verde Europeu' se torne realidade, a sustentabilidade tem de se tornar a norma em todos os setores. A arquitetura desempenha um papel importante nisso, desde a forma como nossas casas são construídas até as formas como nossas cidades são planejadas e projetadas. Com seus designs visionários e edifícios sustentáveis da vida real do futuro, Vincent Callebaut atua como um pioneiro no setor de arquitetura e construção, e um embaixador poderoso para a transição verde. Em seu campo, ele dá vida à visão do 'Acordo Verde Europeu' - um futuro mais saudável, pós-carbono e positivo para a natureza.    

4. Existe algum plano para construir o Parque dos Polinizadores, de forma a sensibilizar os europeus em tamanho real? 

UE: A bela arquitetura do Pollinator Park realmente mereceria ser materializada no mundo real, e não ficar apenas em uma realidade virtual fictícia. Embora a Comissão não tenha planos nesse sentido, acolheria com agrado um projeto deste tipo, pois poderia servir como um excelente espaço de educação, intercâmbio e envolvimento com os polinizadores - um local para curar a nossa relação com a natureza - com vista a construir um futuro melhor .É claro que esperamos nunca ter que construir um 'campo de refugiados para insetos'. Isso significaria que falhamos em proteger a natureza e os polinizadores. Na história, em 2050, o Parque do Polinizador é necessário para o cultivo de alimentos e a preservação dos últimos insetos polinizadores remanescentes na esteira do colapso do ecossistema. Esperamos que esse futuro nunca aconteça, e o Pollinator Park tem como objetivo mobilizar ações agora para prevenir esse futuro. No projeto do Pollinator Park, o arquiteto Vincent Callebaut mostra como a arquitetura também pode ajudar na luta por um futuro melhor, integrando as melhores práticas agrícolas, tecnológicas e de design para viver em harmonia com a natureza. Nesse sentido, o Pollinator Park é um contributo significativo para a reflexão sobre a ' Nova Iniciativa Bauhaus Europeia ', podendo oferecer um roteiro para muitos projetos que dela se desenvolverão.