Abstract: The Art of Design | Es Devlin: Stage Design


2 min de leitura

A cenógrafa Es Devlin cria cenários sugestivos para shows, óperas, peças de teatro e desfiles de moda usando luz, filme, escultura e até chuva.

“As coisas que crio não são coisas. São o tempo que as pessoas passam na companhia dessas coisas. O que estamos criando é tempo. O tempo observado pelo público.” Ou seja, se você quiser experienciar o trabalho de Es Devlin, você vai precisar está lá, naquele dia. Depois, só vai existir na memória das pessoas.

Devlin foi responsável por gerar incríveis experiências com seus cenários em eventos, peças, desfiles de moda e shows de artistas como Beyoncé, Adele, U2, Kanye West e Jay Z. O processo criativo de Es Devlin precisa de cinco ingredientes fundamentais. São eles:

Ingrediente 1/5: Espaço

Es cita que não faz nada, nem decide o que fazer, antes de conhecer o espaço que vai ser utilizado. E para explicar o motivo, a designer de cenários diz: “Assim que temos uma moldura, já queremos quebrar suas barreiras”. Em The Faith Healer, uma peça de 2016 que constava com uma série de monólogos, Devlin criou uma cortina de chuva para resolver duas questões. A primeira, era referente as lacunas entre cada monólogo, que precisavam evocar uma tristeza itinerante. A segunda, era o fato de que o teatro não tinha coxia nem controle de cortinas. Dessa forma, como seria possível trocar o cenário? A cortina de chuva criada por Devlin também resolveu esse problema, escondendo os atores e todas as mudanças no cenário.

Ingrediente 2/5: Luz

Es comenta que nos espaços onde cria, ela pode encontrar ou barrar a luz, e moldar os objetos para a luz entrar. E foi o que ela fez no show do U2, onde encontrou maneiras para controlar a luz, como por exemplo, a utilização espelhos. Ela também conta que já havia utilizado espelhos nos cenários de outras peças.

Ingrediente 3/5: Escuridão

Devlin compara as luzes se apagando, no início de uma apresentação, com a nossa infância, quando amiguinhos vão dormir juntos e ficam acordados no escuro, “é a entrada para uma experiência”, é um momento especial. Ficar com as pessoas no escuro não é algo que costumamos fazer. “Algo acontece, nesse momento, porque há uma mudança”.

Ingrediente 4/5: Escala

Devlin gosta de brincar com as proporções. Em seus trabalhos, ela adora posicionar uma pessoa enorme ou minúscula em relação a algum objeto. Ela comenta sobre um show recente da cantora Adele, onde fez uma projeção enorme dos olhos da cantora.

Ingrediente 5/5: Tempo

O último ingrediente dos trabalhos de Devlin é o tempo. A cenógrafa comenta que seus projetos não servem para serem exibidos em uma galeria de arte. As criações só funcionam com o tempo, com luzes e projeções refletindo, de jeitos diferentes, com as pessoas e efeitos sonoros.

Fonte: Netflix