Abstract: The Art of Design | Platon: Photography


2 min de leitura

Os retratos de Platon captam as almas de líderes mundiais e pessoas comum. Um ensaio fotográfico com o General Colin Powell nos dá uma visão do seu processo.

“Quando aperto o botão acontece algo incrível. É uma fração de segundo, mas congela um evento. Olhamos para um momento e nos sentimos o mais próximo possível da alma. Isso é um bom design, quando lhe dá a liberdade de experimentar uma sensação muito poderosa.”

Platon já fotografou as figuras mais importantes do mundo, como Barack Obama, Bill Clinton, George W. Bush, Hugo Chávez, Vladimir Putin, e um retrato do fotógrafo é caracterizado pela iluminação, o destaque dos olhos e a natureza gráfica do posicionamento da câmera. O fotógrafo comenta que antes de uma nova sessão, ele não pensa em como vai conseguir uma boa foto, mas sim no que pode aprender com a pessoa que vai fotografar.

“Tirar uma foto é algo muito técnico, mas 99,9% está nessa ligação, que me permite tocar alguém. E através dela, existe a chance de você sentir algo também.”

Crescido nas ilhas gregas, Platon é filho de uma mãe historiadora de arte e de um pai arquiteto. Cursou a faculdade de design gráfico e levou os conceitos que aprendeu para o mundo da fotografia. Para ele, “um mundo muito complexo precisa ser simplificado, ser desconstruído. O design foi uma forma de escapar da confusão, porque bons designs simplificam um mundo muito complicado.”

Adepto da tecnologia analógica e utilizando sempre a mesma câmera, o mesmo filme e os mesmos equipamentos, Platon acredita que as ferramentas não devem controlar a mensagem. No início de sua carreira, Platon fotografava para revistas de rua de Londres, até que chamou a atenção de John Kennedy Junior, fundador e editor da Revista George. Kennedy viu o trabalho de Platon e falou: “Falta refinamento em suas fotos. É o tipo de trabalho que quero na revista George. Olhar para a foto e sentir que conheço a pessoa, é isso que quero. Saber como é estar perto dela”. Após o período de ascensão trabalhando na revista, todos foram impactados pela inesperada morte de John Kennedy Junior. Platon então resolveu voltar para a Grécia, país onde passou sua infância. O fotógrafo retornou às origens, voltou para o seu povo, e com essa experiência encontrou-se como seu humano. Após esse período, voltou para Nova York, onde passou um tempo com sua equipe trabalhando no material produzido na Grécia. Foi nessa época que o fotógrafo chamou atenção da revista New Yorker, que estava em busca de um novo profissional.

O primeiro projeto para a revista foi um ensaio em grande escala, que durou um ano. No período de uma eleição complicada e tensa, a primeira de Barack Obama, Platon acompanhou as tropas do exército treinando para as guerras mais recentes dos EUA. Em 2013, após fotografar e entrevistar diversos imigrantes ilegais no país, Platon fundou uma fundação sem fins lucrativos chamada The People’s Portfolio. A fundação aspira criar uma linguagem visual que rompe barreiras, expande a dignidade, combate a discriminação e atrai o público para apoiar os direitos humanos em todo o mundo. Platon também passou um tempo no Congo para encontrar Dr. Mukwege, um ginecologista que cuida de mulheres traumatizadas devido à violência sexual, infelizmente muito presente no país.

Fonte: Netflix