Marko Brajovic assina projeto dos Laboratórios Criativos da Amazônia


1 min de leitura
03 May
03May

Com previsão de entrega para 2022, a iniciativa tem como primeiro objetivo capacitar as comunidades rurais que vivem do extrativismo do cacau e do cupuaçu. O projeto Amazônia 4.0 surgiu como uma terceira via para a exploração da floresta: a ideia é aproveitar de forma responsável os recursos naturais, combatendo o desmatamento e valorizando a cultura e mão de obra locais. Capitaneado pelo climatologista Carlos Nobre do Instituto de Estudos Avançados da USP, e pelo biólogo Ismael Nobre, o projeto acaba de ganhar mais um reforço de peso: o Atelier Marko Brajovic irá assinar o projeto arquitetônico dos Laboratórios Criativos da Amazônica (LCA).

Os LCAs são unidades com equipamentos de última tecnologia que podem ser instaladas no coração da floresta. Seu objetivo é criar soluções e produtos agregados para o que é extraído da floresta, aliando conhecimentos tradicionais locais com dados científicos.

“A estrutura do laboratório irá fornecer os ambientes necessários para todo o processo de capacitação, compostos seis módulos: Casa de Fermentação, Estufa e Secagem Solar, Laboratórios de Produção (Biofábrica), Oficina de Modelagem 3D, Plenária e Centro de Comunicação e Energia”, explica o arquiteto Marko Brajovic. O módulo Laboratório de Produção concentra equipamentos e tecnologias que produzem os produtos da cadeia e terá três ambientes fechados e conjugados: quente normal, quente asséptica e refrigerada asséptica.

Neste primeiro momento, o objetivo é capacitar as comunidades rurais que vivem do extrativismo do cacau e do cupuaçu.  Segundo os idealizadores, com um maior interesse da população local em proteger a Amazônia, é possível combater de forma mais efetiva o desmatamento e a exploração da terra por grandes produtores rurais.

A previsão é que a próxima inauguração ocorra no primeiro semestre de 2022. As comunidades que serão beneficiadas pelo Laboratório Criativo Cupuaçu-Cacau são: Associação dos moradores Quilombolas de Moju-Miri, Associação de Mulheres Trabalhadoras Rurais do Município de Belterra – (Amabela), Associação de Moradores da comunidade Bom Jardim, região do Baixo Rio Acará e Associação de Moradores da Reserva Extrativista Arapiuns-Tapajós.