Relatório ArchDaily: Como arquitetos e profissionais da indústria especificam materiais e produtos?


9 min de leitura
29 Oct
29Oct

Em junho passado, ArchDaily publicou uma pesquisa chamada Como Arquitetos e Profissionais da Indústria Especificam Materiais e Produtos . O objetivo era entender melhor os comportamentos e necessidades dos arquitetos durante a fase de especificação de seus processos de projeto.

O seguinte relatório está estruturado em 5 partes:

  • Resumo
  • Quem fez a pesquisa
  • Como arquitetos e designers interagem com produtos e materiais em seu processo criativo?
  • Especificação de materiais e produtos nas diferentes fases da construção
  • Conclusões

Resumo

A maioria dos profissionais de arquitetura que estão projetando e desenvolvendo projetos também são os principais tomadores de decisão na escolha e especificação de materiais e produtos para seus projetos de construção e design de interiores. 

Embora as relações dos arquitetos com os materiais se tornem mais relevantes durante a fase de construção; as etapas iniciais de projeto exigem a pesquisa de material referencial e as consultas técnicas que acontecem no escritório, a partir do que está disponível online. 

Os relacionamentos entre os profissionais da arquitetura e da indústria de design são uma fonte vital de informações na escolha dos melhores materiais e produtos para trabalhar. As recomendações de outros pares e os relacionamentos construídos a partir de experiências anteriores entre profissionais de arquitetura e fabricantes desempenham um papel importante neste estágio.

O fortalecimento dos canais digitais, como blogs e newsletters do setor, juntamente com o aumento das compras online, sugere uma nova relação híbrida entre arquitetos e materiais em que reuniões presenciais com representantes e visitas ao showroom podem ser combinadas com compras online e pesquisas de ordem para otimizar tempo e recursos.

1. Quem respondeu à pesquisa

A pesquisa durou três semanas em nossos sites em inglês, espanhol e português, com 585 participantes de 83 países. Alguns dos países que participaram desta pesquisa foram Estados Unidos, Reino Unido, Índia, Chile, México e Brasil. Mais da metade dos entrevistados eram arquitetos (70%) com idades entre 25 e 44 anos (60%), trabalhando como autônomos (35%) ou em pequenos escritórios de até 5 funcionários (32%).

Apenas 14% dos pesquisados possuíam cargo específico em seu escritório exclusivamente dedicado à especificação de materiais e produtos. Por outro lado, 96% afirmaram que a especificação faz parte do dia a dia, além do design. Esta esmagadora maioria nos levou à conclusão de que quase todos os arquitetos ou designers envolvidos no desenvolvimento de projetos devem, em um momento ou outro, buscar produtos e materiais para especificar em seus projetos. 

2. Como arquitetos e designers interagem com produtos e materiais em seu processo criativo?

É claro que arquitetos e designers têm um relacionamento próximo com os materiais em todo o seu processo criativo - da inspiração e pesquisa à compra e implementação. Mas quais são os principais canais e fontes que eles preferem usar ao buscar informações concisas ao longo das diferentes etapas do projeto?

Durante a fase inicial - o início do processo criativo - a maioria dos arquitetos e designers busca inspiração e referências sobre materiais e produtos visitando sites de arquitetura, como o ArchDaily (84%), e por meio de mecanismos de busca como o Google (68% ) A terceira fonte mais comum de inspiração foram revistas especializadas (59%), seguida de perto pelo Pinterest (58%).

Embora o espaço digital seja amplamente utilizado por arquitetos atualmente, a arquitetura e o design de interiores continuam a ser disciplinas desenvolvidas no mundo físico. Isso explica porque alguns profissionais mencionaram as visitas a projetos locais como um exercício importante na busca de inspiração nos materiais, permitindo-lhes ver fisicamente como estes foram adaptados a trabalhos anteriores.

Durante a fase de pesquisa do arquiteto, em que coleta dados técnicos sobre materiais e produtos que planeja utilizar, os profissionais esperam encontrar essas informações diretamente nos sites dos fabricantes (89%). Uma porcentagem menor também mencionou visitas a showrooms (65%) e catálogos online (60%).

Na fase final, onde o profissional deve escolher qual empresa ou fabricante fornecerá os materiais e produtos para o projeto, o fator mais importante na tomada de decisão foi a possibilidade de ver o produto aplicado com sucesso em outro projeto (91%). Esta etapa também incluiu a importância das recomendações peer-to-peer (70%) e experiências anteriores entre o arquiteto e o fabricante, dada a importância da construção de relacionamentos com os fornecedores (66%).

Nas etapas de Inspiração, Pesquisa e Decisão, o comportamento dos pesquisados não apresentou variações significativas por país. Começamos a ver diferenças emergentes entre os mercados no que diz respeito às maneiras como arquitetos e profissionais de design se mantêm atualizados sobre produtos e materiais.

As respostas coletadas através do ArchDaily.com mostram como as visitas dos representantes dos fabricantes aos escritórios de arquitetura são atualmente a principal forma de arquitetos e designers se manterem atualizados sobre novos materiais e produtos (78%). Torna-se claro que nos Estados Unidos esta é uma forma comum de conduzir negócios; no entanto, essas práticas podem mudar devido ao aumento de profissionais trabalhando em casa, aliado a novas tendências no consumo online. 

Em contraste, blogs de arquitetura e construção são as principais fontes para profissionais latino-americanos (71%) em busca de atualizações. Em ambos os mercados, no entanto, a segunda fonte mais popular são as feiras de negócios. 

3. Especificação de materiais e produtos nas diferentes fases de construção

Todo projeto arquitetônico passa pelas mesmas etapas: Estrutura e Fundação, Envolvente e Revestimentos Construtivos, Acabamentos e Detalhes e, por último, Design de Interiores. Visto que cada etapa requer diferentes tipos de produtos e materiais, nos perguntamos se também existem diferentes formas de especificar em cada uma dessas etapas.

A primeira coisa que nos chamou a atenção foi que durante a etapa de Estrutura e Fundação, para quase metade dos escritórios, a especificação costuma ser terceirizada para empresas especializadas. Os dois estágios com as especificações mais internas são Envelope e coberturas da construção (89%) e Acabamentos e detalhes (93%)

Quando se trata de especificar produtos e materiais para Design de Interiores, também podemos ver as diferenças entre os mercados. O Brasil desponta como o mercado que mais realiza internamente esse tipo de especificação (93%), enquanto o restante da América Latina cai para 78% e o restante dos mercados fica para 82%.

Em geral, descobrimos que arquitetos e designers especificam materiais e produtos de maneira relativamente uniforme em cada estágio de construção. Independentemente de se procurarem um material estrutural específico ou um tipo de cerâmica de banheiro, os processos de seleção e compra parecem ser os mesmos. Em qualquer destes casos, os profissionais encarregados de especificar considerarão, em primeiro lugar, a disponibilidade de amostras físicas, seguindo-se a acessibilidade às fichas técnicas e, por último, a inclusão de fotos de produtos de alta qualidade ou do produto utilizado em outros projetos. Podemos ver um aumento na relevância das informações técnicas disponíveis digitalmente e imagens de alta qualidade de produtos e materiais em aplicação. Isso significaria que este tipo de recurso poderia ser tão importante quanto amostras físicas,

Na hora da compra, a maioria dos profissionais prefere a qualidade ao preço, seguida da aparência do produto e, por último, produtos produzidos localmente ou distribuídos.

Quanto aos profissionais responsáveis pela compra de produtos e materiais para seus projetos, os resultados da pesquisa indicam que as principais opções tendem a ser: contato direto com os representantes dos fabricantes e visitas aos showrooms dos fornecedores, seguido da preferência do profissional pelas compras online . Nossa previsão é de que este último aumente consideravelmente nos próximos anos, passando a uma nova forma híbrida de consumo, em que reuniões presenciais com representantes e visitas ao showroom podem ser combinadas com compras online para otimizar tempo e recursos.

Por fim, constatamos também que 15% dos arquitetos e designers não realizam a compra de materiais, pois essa tarefa é delegada a empresas terceirizadas, que geralmente são construtoras.

4. Conclusões

A maioria dos profissionais de arquitetura que estão projetando e desenvolvendo projetos também são os principais tomadores de decisão na escolha e especificação de materiais e produtos para seus projetos de construção e design de interiores. 

Embora as relações dos arquitetos com os materiais escolhidos se tornem mais relevantes durante a fase de construção; as etapas iniciais de projeto exigem a pesquisa de material referencial e as consultas técnicas que acontecem no escritório , a partir do que está disponível online. Arquitetos e designers encontram inspiração em sites especializados e procuram material técnico em sites de fabricantes e distribuidores. Neste último caso, é importante notar que, embora os arquitetos utilizem esses sites para encontrar informações detalhadas sobre os produtos, às vezes não conseguem encontrar as informações exatas que procuram, pois nem sempre esses sites são construídos para abrigar esse tipo de material técnico.

Os relacionamentos entre os profissionais da indústria de arquitetura e design são uma fonte vital de informações. Ver as experiências anteriores - seja de profissionais independentes ou escritórios de arquitetura - e contar com recomendações ponto a ponto são fundamentais para decidir quais materiais escolher. É nessa fase que as marcas associadas a projetos construídos anteriormente podem permanecer no topo da mente dos arquitetos . Se for estabelecida uma boa relação de trabalho entre o fabricante e o projetista, onde o fabricante foi capaz de fornecer informações relevantes e oportunas que contribuíram para o sucesso do projeto; torna-se mais provável que o arquiteto retorne àquele fabricante antes de buscar outras alternativas.

Arquitetos e designers devem estar continuamente atualizados sobre novos materiais, inovações de produtos e novas tecnologias. Por se tratar de uma indústria tão ligada ao meio ambiente físico e construído, é compreensível a importância de comparecer a feiras de negócios e encontros presenciais. No entanto, estamos vendo o fortalecimento dos canais digitais, como blogs e boletins informativos da indústria , que consistentemente transmitem informações diretamente aos dispositivos de arquitetos e designers. 

Em relação à decisão final e à compra, parece bastante lógico que arquitetos e designers sejam fãs de ver amostras físicas. Dito isso, há uma mudança global inconfundível para as vendas online, o que pode causar problemas com a disponibilidade de amostras. A compra online de materiais e produtos arquitetônicos é mais um passo em direção à digitalização de nossa indústria , que poderia se beneficiar da disponibilidade imediata de informações técnicas dos fabricantes. Isso inclui, entre outras coisas, a capacidade de mostrar a aparência final do produto aplicado por meio de fotografia de alta qualidade. Reuniões pessoais com representantes e visitas ao showroom são itens básicos da indústria, mas podem ser combinados com compras online para otimizar tempo e recursos. Nossa previsão é que o percentual de compras de produtos online aumentará consideravelmente nos próximos anos.


FONTE: ArchDaily

 Contribua com a Office Connection e encaminhe seus projetos e artigos com fotos para nossa redação